--- Prêmio Angelo Agostini ---

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Pipoca murcha!

Alguns filmes que assisti nos últimos dias...

Guardiões da Galáxia 
Esse foi o primeiro filme da Marvel que assisti sem nunca ter lido sequer um quadrinho original. Mesmo assim, observando pelo lado bom do enredo, deu pra entender perfeitamente alguma coisa a cerca da história e dos personagens. Enquanto que apenas um é ser humano, todos os outros são espécies alienígenas que vão aparecendo conforme a trama se desenrola. Rápida, colorida, e cheia de detalhes. É claro que as melhores cenas são do guaxinim e do bicho-árvore (50% comédias, 50% porrada), mas nada como presenciar o soberano e antipático Thanos (esse eu conheço das antigas) dando ordens do seu trono.Garantia de boas risadas, Guardiões da Galáxia é aquele tipo de desopilação agradável que termina e a gente fica rezando pra que chegue logo a continuação.
>> Trailer (Bom, e tem muito mais no filme!)

Hércules
O mal desses filmes épicos é que eles não se conformam numa única coisinha: é-praticamente-impossível-outro-filme-superar-Gladiador-ou-Troia-em-seu-alto-nível-de-beleza-e-maestria. Então o que eles fazem? Entopem as produções de efeitos especiais e atores razoáveis. Dwayne Johnson, meu amigo! Dão dá pra assistir você empunhando um espada de shortinho (Conan, Conan, Conan...) depois de já ter trocado porrada duas vezes com Vin Diesel em Velozes e Furiosos, né?. Outra. Que porra de leão era aquele que você matou? Quando vivo, dava pra abocanhar você inteiro. Depois de morto, a cabeça diminui e fica com cara de urso de camelô (ou galego, na língua cearense.). Sinceramente, Hércules serviu unicamente pra uma única coisa em minha frustrada carreira de "cinéfilo blockbuster". Entrar na lista daqueles filmes que retiro do aparelho de DVD antes mesmo de ele acabar.
>> Trailer (Mentiroso! Algumas cenas são apenas aquilo mesmo!)

Planeta dos Macacos - O Confronto
O filme anterior é foda. Desde a trama e os efeitos especiais até as cenas pós-créditos. Mas dez anos depois, com a multiplicação da macacada, a coisa não ficou tão fácil assim. Os humanos que restaram precisam puxar energia elétrica de uma represa, mas ela estar justamente onde César montou a colônia. Macacos caçam, pescam, discutem e dão aulas pros macaquinhos. O que fazer? Entre acordos e desconfianças, Koba (aquele macaco deformado que espalhou o vírus no primeiro filme) arma um motim e daí a putaria começa realmente pra valer. Apesar de ter muitas cenas chocantes pelo meio, dessa vez o pós-crédito foi excluído e, por isso, o filme acaba com aquela cara de que "encerrou duma vez". O Confronto é "quase um excelente filme", mas o desfecho dessa pendenga toda, infelizmente, só será mostrado numa terceira parte.
>> Trailer (Irado! Mais o filme é mais irado ainda!)

 Sin City - A dama fatal
Quando o primeiro Sin City saiu tudo era novidade. Os macetes, as luzes, os efeitos, as sombras...  Se você assistir, vai se encantar! Mas essa parte dois é um desastre. A começar pela trama, que teve o tremendo azar de perder dois bons atores como Michael Clarke Duncan e Britanny Murphy  (eles morreram!) quando o filme ainda penava no papel. Foda! Depois foi a saída de Devon Aoki (substituída erradamente!), que também era foda como a personagem Miho! Impacto grande? Muitooooo... Mas se você assistir esse Sin City - A dama fatal talvez nem note tamanha diferença. Mas eu aviso logo: 1) as melhores histórias dos quadrinhos já foram usadas no primeiro filme. 2) algumas cenas (e até personagens inteiros) dessa continuação foram injustamente deixadas apenas nos quadrinhos. Resumindo: Nunca esperei tanto por um filme (foram quase 10 anos) simplesmente pra dizer "Mas que porcaria!!!".
>> Trailer (Dá pra se contentar apenas com ele e esquecer o filme!)


Transformers - A Era da Extinção
Quatro filmes de Decepticons e Autobots depois, se me perguntarem atualmente "como eles surgiram", "por que brigam" e "o que faz eles ficarem vivos", respondo sinceramente que " nem sei mais..." KKK... No primeiro filme a razão da guerra era um cubo. No segundo era um cristal que já existia por aqui há milhares de anos. No terceiro era uma conspiração que envolvia o homem na Lua e a Usina de Chernobyl... Égua! Até aí um enredo cobria o outro e a gente ia engolindo calado pelo único propósito de "respeitar esses personagens que só ficam mais fodásticos ao longo dos anos". Mas daí veio essa bomba com dinossauros-robôs, um governo que recria Transformers em laboratório mapeando o genoma deles (?) e uma explosão infinita de propagandas como se o filme fosse uma enorme revista de passarela (eu falei passarela, porra!). Sinceramente, só existe uma única definição quando acaba esse Transformers - A Era da Extinção. Aquela de que, por muitos e muitos anos, você foi redondamente enganado. Puro e simplesmente.
>> Trailer (É exatamente isso que tô falando... só que sem os anúncios!)

Nenhum comentário:

Postar um comentário